Imagens de telescópio mostram ‘mordida’ de estrela vampira

Publicado: 7 de dezembro de 2011 por sundeksp em Reportagens
Tags:, ,

O Observatório Europeu do Sul (ESO, na sigla em inglês) divulgou nesta quarta-feira o que considerou ser “as melhores imagens” de uma estrela que perdeu a maior parte de sua matéria por causa da “mordida” de uma companheira vampira. Ao combinar a luz captada por quatro telescópios instalados no Observatório do Paranal, no Chile, astrônomos criaram um telescópio virtual de 130 m de diâmetro, capaz de observar com uma nitidez 50 vezes superior ao Telescópio Espacial Hubble, da Nasa.

Os astrônomos observaram o sistema incomum SS Leporis, que contém duas estrelas que orbitam uma em torno da outra

De acordo com o observatório, os novos resultados surpreenderam os astrônomos ao mostrar que a transferência de matéria de uma estrela para a outra neste sistema duplo é mais suave do que se esperava. “Podemos agora combinar a radiação captada pelos quatro telescópios VLT e criar imagens extremamente nítidas muito mais depressa do que antes”, diz Nicolas Blind, o autor principal do artigo científico que apresenta estes resultados.

“As imagens são tão nítidas que podemos, não apenas observar as estrelas a orbitar em torno uma da outra, mas também medir o tamanho da maior das duas”, completa o especialista.

O sistema incomum fica na constelação da Lebre

Os astrônomos observaram o sistema incomum SS Leporis na constelação da Lebre, que contém duas estrelas que orbitam uma em torno da outra em 260 dias. As estrelas estão separadas por uma distância um pouco maior do que a distância entre o Sol e a Terra, sendo que a maior e mais fria das duas estrelas se estende até um quarto desta distância – o que corresponde mais ou menos à órbita de Mercúrio. Devido a esta proximidade, a estrela mais quente já “canibalizou” cerca de metade da massa da estrela maior.

“Sabíamos que esta estrela dupla era incomum e que o material estava a fluir de uma estrela para a outra”, explica o co-autor do estudo, Henri Boffin. “O que descobrimos no entanto, foi que o modo como a transferência de massa se processa é completamente diferente do previsto por modelos anteriores. A ‘mordida’ da estrela vampira é muito mais suave mas altamente eficaz”, completa.

As novas observações são suficientemente nítidas para ver que a estrela gigante é menor do que o que se pensava anteriormente, o que torna mais difícil explicar como é que a gigante vermelha perdeu massa para a sua companheira. Os astrônomos pensam agora que, em vez de fluir de uma estrela para a outra, a matéria deve ser expelida pela estrela gigante sob a forma de um vento estelar e capturada deste modo pela companheira mais quente.

“Estas observações demonstraram a capacidade do Interferômetro do Very Large Telescope em produzir imagens e abrem o caminho para futuros estudos sobre estrelas duplas em interação”, diz o co-autor Jean-Philippe Berger.

Por causa da proximidade, a estrela mais quente já canibalizou cerca de metade da massa da estrela maior

 Fonte: Portal Terra

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s